12.3.07

The Guardian 24/7


O jornal The Guardian passa a oferecer notícias 24 horas por dia, sete dias por semana (24/7), com base em princípios anunciados por Alan Rusbridger, seu editor geral. Vale a pena conhecer na íntegra os pontos elencados pelo documento que prevê uma produção constante, com notícias bem apuradas e editadas. Isso me fez lembrar do que fazíamos em 1998 na revista Época Online. Bons tempos que os websites de revistas eram levados a sério pela massmedia brasileira.
1. The Guardian está crescentemente tornando-se um provedor global de notícias, com uma audiência e uma reputação internacionais;
2. Usuários da Web esperam ler as notícias no momento em que acontecem
3. Se não atualizarmos nosso site continuamente, os leitores irão para outra parte;
4.Nosso website é crucial para nossa estratégia digital e para o futuro do The Guardian & Observer;
5.O propósito internacional e alcance do The Guardian & Oberserver não podem ser atingidos com a programação de publicação vigente;
6. O jornalismo do The Guardian & Observer deve ser preciso, fidedigno e confiável;
7. Em qualquer circunstância em que a velocidade possa comprometer a confiabilidade, deve-se optar pela confiabilidade;
8. Continuamos a colocar um valor extremamente alto na profundidade, complexidade e na idéia de um jornalismo que não pode ser precipitado;
9. Reconhecemos que a maior parte de nosso melhor jornalismo requer tempo, paciência e pesquisa diligente;
10. 24/7 significa que passaremos a publicar material 24 horas por dia, sete dias por semana e não mais, como agora, 16 horas por cinco dias;
11. Isso significa publicar mais de nossas notícias, de acordo com as demandas da Web, ao invés das demandas e ritmos de um jornal impresso;
12. De maneira geral, material que foi redigido e editorado pode ser postado na Web tão logo se torne disponível;
13. Exceções podem ser feitas para histórias que os editores decidam preservar para a edição impressa;
14. Continuaremos a usar serviços de agências para as notícias de última hora, mas buscaremos fazer uso pleno de nossas capacidades editoriais e agregar valor "The Guardin/Observer";
15. Isso significa criar contextualização, análise e opinião - e, algumas vezes, cor (colour);
16. O ponto acima se aplica principalmente na área de notícias (nacionais, internacionais, cidade, esporte);
17. Aplica-se também a comentários e, por exemplo, crítica de arte;
18. Haverá áreas não-noticiosas que gostaríamos de estender e explorar ao longo dos sete dias;
19. Nossos processos de produção devem refletir as necessidades da web (por exemplo, o uso de manchetes adaptadas à web (web-friendly headlines), além de manchetes jornalísticas, links, tags, palavras-chaves etc);
20. Todos os jornalistas do The Guardian & Observer deverão trabalhar de acordo com estes princípios.

Alan Rusbridger
Editor, The Guardian

Um comentário:

Francisco Arlindo ALves disse...

Muito bom seu blog! Informações que extrapolam o feijão com arroz informativo dos Portais!