13.11.07

Casa sensível

Raphaela de Campos Mello, do Mediações acaba de postar sobre a casa do futuro, ou seja, sensível. Adorei e reproduzo-o aqui.


"Dia desses, apurando informações para uma matéria sobre os rumos da tecnologia residencial, conversei com Guto Requena, arquiteto e pesquisador do Núcleo de Estudos de Habitares Interativos da Universidade de São Paulo (Nomads), que fica em São Carlos. Lá pelas tantas, descobri que a casa do futuro, além de automatizada e inteligente, será sensível. Sim, quase como aquele companheiro (a) ideal, sempre pronto para nos acolher nos bons e nos maus momentos. Seu nome é Emotive House, uma invenção do arquiteto holandês Kas Oosterhuis. O sistema funciona mais ou menos assim. Sensores espalhados por todos os cantos detectam o estado de espírito dos habitantes. Os sinais coletados podem ser objetivos, como a localização das pessoas na residência, ou, subjetivos, como o tom de voz e as expressões faciais. Munida com essas informações, a casa responderá sem julgamentos, somente com doses ilimitadas de compreensão e tolerância. Então, providenciará a luminosidade e a temperatura adequadas ao seu humor, escolherá aquela música que acalma ou anima, dependendo da situação, e até poderá colocar na TV seu filme predileto, se assim achar necessário. Tudo isso só para te animar. Bem, para os mais antenados, este post talvez não passe de uma notícia datada. Mas, para quem se impressionou como eu (longe, mas muito longe de ser uma aficcionada por tecnologia) e quer obter mais detalhes sobre a Emotive House, sugiro uma visita ao site do arquiteto"


Um comentário:

pc guimarães disse...

Pollyana
Bacana saber que vc e seus alunos estão "blogosferando". Faço o mesmo com os meus alunos desde o semestre passado. Se vcs quiserem trocar figurinhas, cliquem:
http://blogdoprofessorpc.blogspot.com/