4.6.06

Anjo com sardas

Quero sair correndo, dirigir até Santos, entrar no mar, comer queijadinha; conversar com o Leão Marinho da minha infância, visitar o aquário do Gonzaga. Me sinto Kundera em “A insustentável leveza do ser”. Nunca um percurso de 15 km demorou tanto. Já que não conseguirei entrar no mar, busco um prédio bem alto. Quero sentar e olhar a cidade lá de cima. Não estarei sozinha, meu anjo da guarda vai comigo. Ele anda cansado, tenho dado bastante trabalho.

No caminho lembrei-me de “O jardineiro fiel”, o último pacote de pipoca que dividimos. O filme falava de infidelidade e amor, engraçado. Ouço “Universo ao meu redor”, num Ipod emprestado. Hoje me sinto emprestada, em outro corpo, parece que não sou eu. Canto baixinho ...

Graças a Deus, um passarinho
Vem me acompanhar
cantando bem baixinho
E eu já não me sinto só
Tão só, tão só
Com o universo ao meu redor


Marisa Monte anda tão diva do jazz, deve ser a maternidade, penso comigo. Sento na cobertura do prédio, São Paulo aos meus pés. Me vi com 19 anos no bar Brahma, esperando por um amor roubado, tinha febre de tão apaixonada; salto mais de uma década e me vejo em Puerto Madero, Buenos Aires, naquele navio de Piratas – sempre achei-o assombrado. Não queria entrar novamente lá. Um barco de guerra, só com tripulação masculina, subterrâneos e passagens estreitas. Será que se eu não tivesse entrado novamente neste navio, nosso casamento teria sido salvo? O outro também afundou neste navio. Por que não ouço a minha intuição? Talvez fosse para entrar. Às vezes ela é uma intuição não-linear, desconexa.

-- Como pode alguém ter tantos flashbacks? Pergunto ao anjo, que apenas sorri, com sorriso largo, ele tem “sardinhas”. Todos os que têm sardas, pertencem à mesma galáxia, acredito nisso.

Um comentário:

Mariana Santos disse...

Professora, acho que vc está levando a história dos anjos muito a sério hehe..
Eu me lembro do Leão Marinho do aquário de Santos... qdo vi a reportagem no SPTV que ele havia morrido até chorei... tenho uma foto de lembrança =)